30 de mar de 2015

70 MIL PROFESSORES EM ASSEMBLEIA PARARAM SÃO PAULO E APROVARAM:
A GREVE CONTINUA!
ALCKMIN A CULPA É SUA.
CALENDÁRIO DE MOBILIZAÇÃO
01/04 Assembleia Regional (quarta-feira) às 10h na subsede da APEOESP de SBC (Rua Dom Paulo Mariano, nº 40, Nova Petrópolis
02/04 Assembleia Estadual (quinta-feira) às 14 Horas no Vão Livre do MASP – Avenida Paulista.
Greve cresce em SBC - Em todo Estado de São Paulo, já são mais de 150 mil Professores paralisados.
(Saída dos ônibus da Subsede às 12h30 horas) – confirme sua presença através dos fones abaixo.
CALENDARIO DA GREVE EM SBC dia 30 de março (SEGUNDA FEIRA) – às 7 horas. Local – Comando de Greve reúne-se na Subsede. 10 horas ida a São Paulo para Acompanhar a Reunião com a SEE às 11 horas.
Saída do Comando de Greve da Subsede, todo dia manhã, tarde e noite.
REIVINDICAMOS:
Ø  Equiparação salarial com os demais profissionais que têm ensino superior o que requer75,33% de reajuste salarial;
Ø  Conversão do bônus em salário;
Ø  Cumprimento imediato da jornada da lei do piso rumo a Jornada de 20 horas semanais de trabalho;
Ø  Nem duzentena nem quarentena para os professores da categoria O;
Ø  Por uma nova forma de contratação dos professores temporários, com garantia de direitos e do emprego;
Ø  Garantia de atendimento médico pelo IAMSPE para os professores da categoria O
Ø  Convocação de todos os concursados para assumir seus cargos;
Ø  Reabertura das classes e períodos fechados e desmembramento das classes superlotadas;
Ø  Melhores condições de trabalho e políticas de prevenção do adoeci­mento dos professores;
Ø  Fim da lei das faltas médicas e das perseguições nas perícias médicas;
Ø  Fim dos descontos de faltas e licen­ças médicas para efeito de aposen­tadoria e agilização da liquidação do tempo de serviço;
Ø  Por um plano de carreira que atenda às necessidades do magistério.   
Ø  Não à privatização do Hospital do Servidor Público Estadual e do IAMSPE retorno do atendimento do HSBC e dos laboratórios Delboni e Lavoisier;
Ø  Garantia de no mínimo um PCPs de acordo com a Resolução SE 75/2013;

Ø  Fim do trabalho aos sábados.

CARTA ABERTA AOS PAIS, ALUNOS E TODA COMUNIDADE ESCOLAR A GREVE DOS PROFESSORES ESTADUAIS CONTINUA! ALCKMIN A CULPA É SUA.

Os Professores da Rede Pública do Estado de São Paulo entram na terceira semana de uma forte GREVE contra o desmonte da educação pública, os baixos salários e as péssimas condições de trabalho.
Os ataques contra a educação pública prejudicam professores e principalmente os alunos, filhas e filhos da população trabalhadora; que sofrem por não terem escola pública onde possam aprender com qualidade.
Neste ano na Diretoria de Ensino de São Bernardo do Campo, mais de noventa salas foram fechadas, provocando a superlotação das turmas e centenas de demissões de professores, além de milhares de alunos que estão sem aula principalmente no Ensino Médio e na Suplência (educação de jovens e adultos) levando ao fechamento do período noturno em muitas escolas.
Em várias unidades escolares os Professores e Alunos são submetidos às piores condições de ensino e aprendizagem como carteiras quebradas, falta de materiais de manutenção, infiltração de água, falta de água potável, falta de papel higiênico, falta de papel toalha, a merenda é inadequada e em relação aos materiais didáticos faltam laboratórios de ciências e informática. As salas de leitura e de vídeo não funcionam e faltam materiais didáticos básicos. O governo nunca atende as nossas reivindicações e ainda faz campanha pela desvalorização do magistério.
Em virtude dos baixos salários; defasagem salarial em relação aos demais profissionais com ensino superior de mais 73%, muitos professores são submetidos a uma longa e estafante jornada de trabalho, em duas ou mais escolas para garantir o sustento de suas famílias.
Somos todos vítimas dessa política educacional sem nenhum compromisso com a escola pública e com o futuro dos nossos filhos, por isso estamos na luta para melhorar esta situação.
Nesse momento difícil, somente a ação unificada dos Professores, Pais e Alunos pode garantir vitórias contra a destruição da educação pública que este governo vem executando e ampliando.
Educação Pública - Direito de todos, dever do Estado- faça valer esse Direito! Educação é investimento e investimento em pessoas! Economizar, cortar recursos da educação é criminoso. Por isso pedimos o seu apoio à nossa greve, ligando para a ouvidoria da Secretaria de Educação exigindo que o governo abra as negociações. Fone:3218-2129.
PARTICIPE DA GREVE DOS PROFESSORES E AJUDE A MUDAR A REALIDADE DA ESCOLA PÚBLICA!
COMANDO DE GREVE UNIFICADO



28 de mar de 2015

A GR E V E C O N T I N U A ! ! !

CALENDÁRIO:


30/03 - Reunião com a SEE.às 11h



02/04 - Assembleia Estadual



22 de mar de 2015

CALENDÁRIO DE MOBILIZAÇÃO: 40 MIL PROFESSORES EM ASSEMBLEIA APROVARAM: A GREVE CONTINUA - ALCKMIN A CULPA É SUA!

Greve cresce em SBC - Em todo Estado de São Paulo, já são mais de 120 mil Professores paralisados

ASSEMBLEIA ESTADUAL - dia 27 de março (sexta feira) às 14 Horas no Vão Livre do MASP 
(Saída dos ônibus da Subsede às 12h30 horas) – confirme sua presença nos fones abaixo.

ASSEMBLEIA REGIONAL - dia 26 de março (quinta feira) – às 10 horas. Local – Praça da Matriz.

Saída do Comando de Greve da Subsede, todo dia manhã, tarde e noite.



REIVINDICAMOS:

- Equiparação salarial com os demais profissionais que têm ensino superior o que requer 75,33% de reajuste salarial;
- Conversão do bônus em salário;
- Cumprimento imediato da jornada da lei do piso: no mínimo 33% da jornada de trabalho para atividades de formação e preparação de aulas;
- Jornada de 20 horas semanais de trabalho;
- Nem duzentena nem quarentena para os professores da categoria O
- Por uma nova forma de contratação dos professores temporários, com garantia de direitos e do emprego;
- Garantia de atendimento médico pelo IAMSPE para os professores da categoria O
- Convocação de todos os concursados para assumir seus cargos;
- Reabertura das classes e períodos fechados e desmembramento das classes superlotadas;
- Melhores condições de trabalho e políticas de prevenção do adoecimento dos professores;
- Fim da lei das faltas médicas e das perseguições nas perícias médicas;
- Fim dos descontos de faltas e licenças médicas para efeito de aposentadoria e agilização da liquidação do tempo de serviço;
- Por um plano de carreira que atenda às necessidades do magistério.
- Não à privatização do Hospital do Servidor Público Estadual e do IAMSPE retorno do atendimento do HSBC e dos laboratórios Delboni e Lavoisier;
- Garantia de no mínimo um PCPs de acordo com a Resolução SE 75/2013;
- Fim do trabalho aos sábados.

telefones para contato: 4125 6558 / 4332 3913 / 2669 6750
email: saobernar@apeoespsub.org.br
Facebook: Apeoesp SBC

SENHORES PAIS, ALUNOS, PROFESSORES E SOCIEDADE EM GERAL




Nós, professores das escolas da rede estadual de ensino, estamos pedindo o seu apoio para a luta em defesa da educação pública no Estado de São Paulo. Há mais de 20 anos, o governo que aí está vem trabalhando na contra mão da história e destruindo as nossas escolas. Em muitas delas os Professores e Alunos são submetidos às piores condições de ensino e aprendizagem como superlotação, carteiras quebradas, falta de materiais de manutenção, infiltração de água, falta de água potável e falta de materiais didáticos básicos. O governo nunca atende as nossas reivindicações e ainda faz campanha pela desvalorização do magistério. Algumas dessas causas são gravíssimas:

Ø Salas superlotadas e má qualidade nas condições de ensino e de aprendizagem;

Ø Estrutura escolar sucateada, ausência de materiais básicos fundamentais à formação dos estudantes;

Ø Falta de professores de quase todas as disciplinas em todas as escolas;

Ø Professores desmotivados, em virtude das más condições de trabalho e da desvalorização da categoria, levando ao adoecimento e ao abandono das aulas;

Ø Baixos salários, jornadas estressantes e cansativas, sendo que um mesmo professor precisa trabalhar em 3 ou mais escolas para garantir o seu sustento;

Ø Professores temporários (categoria “O”), que têm um contrato de trabalho em condições semelhantes à escravidão, sem direitos trabalhistas e com o salário reduzido em relação aos demais;

Ø Indícios de desvio de dinheiro da educação para outros fins e de compras superfaturadas e solicitação de economia nas escolas que já estão funcionando sem água, luz, papel higiênico entre outros materiais essenciais para o funcionamento das unidades escolares;

Ø Reajuste salarial ZERO para todos nós, enquanto outras categorias estão conseguindo pelo menos a reposição da inflação. Porém o Sr.Governador e os deputados tiveram seus salários reajustados em cerca de 19% (deputados)..Para nós da educação o anúncio é de reajuste ZERO.

Ø A diferença salarial dos professores em comparação com outros profissionais com ensino superior é de 75%; imaginem nossa situação;

Ø Assédio moral, perseguição e violência; é o que mais temos vivenciado no interior das escolas;

Por esses e outros motivos pedimos o apoio da população e a participação de todos os Professores, pais e alunos em mais esta luta em defesa de uma Educação Pública de qualidade para todos;

Educação Pública - Direito de todos, dever do Estado- faça valer esse Direito! Educação é investimento e investimento em pessoas! Economizar, cortar recursos da educação é criminoso. Por isso pedimos o seu apoio a nossa greve, não mandando se filho para a escola e ligando para a ouvidoria da Secretaria de Educação exigindo que o governo abra as negociações. Fone:3218-2129,

COMANDO DE GREVE UNIFICADO

APEOESP – SUBSEDE DE SÃO BERNARDO DO CAMPO 
Rua Dom Paulo Mariano, Nº 40, Nova Petrópolis – SBC – fones: 4125-6558 ou 4332-3913. 
SITE: http://apeoespsbc.com.br e-mail: saobernardo@apeoespsub.org.br 
Março de 2015 

11 de mar de 2015

Professores que não completaram sua jornada ou carga horária, fiquem atento:

Atribuição de Aulas Docentes Categoria "F" = orientações contidas na Resolução SE 75/2013 em seu Artigo 19: 
"A composição de carga horária dos docentes estáveis, celetistas e ocupantes de função-atividade dar-se-á na unidade escolar, obrigatoriamente, no mínimo, pela atribuição de carga horária correspondente à da Jornada Inicial de Trabalho Docente.
§ 1º - Na impossibilidade de composição de carga horária equivalente à da Jornada Inicial de Trabalho Docente na unidade escolar, os docentes não efetivos, a que se refere o caput deste artigo, deverão proceder à composição na Diretoria de Ensino, integralmente em uma única escola ou em mais de uma, se houver compatibilidade de horários e de distância entre as unidades."